A luta de grupos feministas

A luta feminista atinge cada vez mais mulheres com o trabalho individual, também chamado de boca a boca, que exige paciência e trabalho árduo. Ao mesmo tempo, o crédito por propagar em maiores proporções os direitos de igualdade entre os gêneros vai para as ações de coletivos e frentes feministas. A maioria desses grupos organiza reuniões, rodas de conversa e estudos mas é, principalmente, em atividades externas, como eventos e marchas, que acabam chegando cada vez a um número maior de pessoas.

É como diz uma das entrevistadas no vídeo, “já é difícil reconhecer o machismo. Quando as mulheres reconhecem já é um passo muito grande. Quando as mulheres lutam contra, [é um passo maior ainda]“. A frase define bastante do que consiste essa luta.

Nós fomos à Marcha das Vadias (uma das principais marchas feministas organizadas na capital), em maio deste ano, para ouvir a opinião de mulheres e trazer ao Madalenas um resumo dos pontos de vista, desafios e méritos que o público feminista quer manifestar ao mundo. O minidocumentário traz também os apontamentos de uma antropóloga e o de uma integrante do Coletivo Feminista da ECA (Escola de Comunicação e Artes) que dá uma verdadeira aula! Vai perder?



Sobre

A simplicidade e complexidade andam de mãos dadas. Tem vezes que mete os pés pela cabeça, mas quase sempre é dominada pelo silêncio dos olhos. Jornalista com dom para os perrengues e, em seu mundo, um dia tem 48 horas. Ou, pelo menos, deveria ter.


'A luta de grupos feministas' não tem nenhum comentário

Seja o primeiro a comentar este post

Você gostaria de comentar?

Seu e-mail não será publicado.

© 2014 Madalenas. Todos os direitos reservados.